Viva São João
Viva o milho verde
Viva São João
Viva o brilho verde
Viva São João
Das matas de Oxóssi
Viva São João


Gil e Caetano
Próximos eventos

  Estilo Único da Festa Junina Brasileira

Cidades na web e o folclore na rede: a transposição do folclore na Internet

Festas de São João nas igrejas do Santo Daime

Danças Juninas: Fandango, Bumba-meu-boi, Lundu e Cateretê

Festividades a São João: singularidades pelo Brasil e no Amapá e o "Maior Cuscuz do Mundo"

As Comemorações Juninas no Brasil: As relações sociais e o compadrio

O dia de São João na Sardenha

Origem das Festas Juninas: As lendas de Tamuz e Adônis

Festa Junina Portuguesa: As Tradições Trazidas De Portugal

Luiz Gonzaga e o Cordel do Fogo Encantado

Conheça o vocabulário de Parintins, terra de Caprichoso e Garantido

Economia criativa e festas juninas

Significados do Festejar no País que 'Não é Sério'

De onde é que vem o baião?

MÍDIA, IDENTIDADE CULTURAL NORDESTINA: festa junina como expressão

Festa Junina

A arte dele ninguém apaga, diz Dominguinhos sobre Luiz Gonzaga

As Maiores Festas Juninas do Brasil

Notícias 2011
Notícias 2010
 

"Era uma vez São João" - Elba Ramalho e as memórias juninas

O texto abaixo é de autoria da cantora Elba Ramalho. Ele foi publicado no dia 30 de maio, na Revista, encarte dominical do Jornal O Globo.

"Era uma vez São João
Elba Ramalho

Nas minhas memórias afetivas da infância e adolescência, vividas no sertão seco e sofrido da Paraíba, guardo labaredas de uma festa que nunca será apagada do meu coração: a festa de São João. Se para alguns São João traduz apenas o aniversário do filho de Santa Izabel e a lendária fogueira da anunciação, para a grande nação nordestina, e em quase todos os cantos do nosso amado Brasil, a fé e devoção dão lugar a uma explosão de fogos de artifícios, e a alegria é palavra de ordem! São os ritos de uma celebração que atravessa séculos e se firma como a mais tradicional e brasileira de todas as festas.

Debaixo de um céu colorido de fitas, as meninas trançam suas madeixas, se enfeitam de chitas para arrastar o pé no xaxado, no xote e no baião. Enquanto isso, balões acesos invadem os céus do Brasil - é a esperança de tempos melhores sob o céu de nossos corações. Como disse o nosso rei do baião, Luiz Gonzaga, “O céu estava todinho em festa, pois era noite de São João”. O arraiá tá montado, gente, e é prá lá que eu vou. A partir de agora, os mestres de cerimônia passam a ser sanfona, zabumba e triângulo. As rádios das cidades não deixarão o baião um minuto sequer. E haja fôlego pra tanta farra!

Tradicionalmente, cumprimos uma agenda grande de shows, que vão de ponta a ponta do Brasil. É evidente que o Nordeste dá o tom e dispara no ranking com as mais badaladas e tradicionais festas da região, que competem entre si nos quesitos autenticidade, alegria, harmonia de quadrilhas e também nas atrações artísticas que animam os diversos palcos montados com infra-estrutura de grandes produções.

Caruaru, Campina Grande, Aracaju e outras cidades de menor porte primam na produção geral deste belo evento. Se uma se auto-intitula “O maior São João do Mundo”, outra é emblemática: “Sou a Capital do Forró”. Mas, tudo isso só instiga a curiosidade de quem nunca foi até lá para conferir, ou melhor, para se deliciar com tanta gostosura e travessura.

Quem já foi, não há dúvida, volta sempre lá.

Há alguns anos, tentamos retomar a festa de São João na Cidade Maravilhosa. Grupos de quadrilhas do Nordeste se juntaram às belas quadrilhas cariocas e deram um verdadeiro show. Melhor seria se, ao invés de iniciativas privadas, as autoridades competentes pudessem compreender e incluir esta tradição no roteiro cultural do Rio de Janeiro, antes que se apaguem todas as luzes e só restem cinzas nas fogueiras.

Um beijo regado a quentão. E viva São João!"

Fonte: www.elbaramalho.com.br
15.06.2010

 

Busca
Deixe seu e-mail para receber notícias